Voltar

Número de chamadas no serviço móvel atinge 10 mil milhões em 2016

Ouvir com ReadSpeaker
11.04.2017

O número de chamadas realizadas (10 mil milhões) e o volume de minutos de conversação do serviço móvel (25 842 milhões) aumentaram 2,7% em 2016, atingido máximos históricos. Esta evolução é explicada pelo aumento das ofertas de serviços em pacote que incluem chamadas a "zero cêntimos", e que tem contribuído para o crescimento das chamadas entre operadores a uma taxa média de 23,2% nos últimos cinco anos.

Em sentido contrário, as chamadas dentro da mesma rede registaram uma quebra de 3,6%. Apenas 5% das chamadas realizadas têm como destino números fixos. O tráfego internacional aumentou 3,1%, invertendo a tendência de decréscimo dos últimos 2 anos. A duração média das chamadas manteve-se nos 155 segundos.

Em simultâneo, os utilizadores do serviço de mensagens escritas enviaram menos 11,1% de mensagens face a 2015. O número médio mensal de mensagens enviadas por utilizador foi de 200, o valor mais baixo desde 2010.

Os utilizadores efetivos de serviços típicos da banda larga móvel (videotelefonia, transmissão de dados em banda larga, mobile TV, etc.), atingiram os 6,6 milhões, registando uma subida de 12,6% face ao ano anterior, o que se explica pelo aumento de utilizadores de Internet no telemóvel e também pelo número crescente de smartphones (72,6% do total de possuidores de telemóvel, em dezembro de 2016).

Cerca de 41% dos clientes do serviço telefónico móvel adquiriram este serviço integrado num pacote, mantendo-se a tendência de migração dos planos pré-pagos para os planos pós-pagos/híbridos.

Os utilizadores do serviço de roaming internacional eram 955 mil no final de 2016 (mais 11,2% que em 2015). O crescimento verificado encontra-se associado à entrada em vigor, em abril de 2016, das novas regras que visam eliminar a diferença entre as tarifas domésticas e as tarifas de roaming no Espaço Económico europeu (EEE).

A MEO (43,6%) continua a ser o principal operador deste serviço, seguida da Vodafone (31,4%) e da NOS (23,3%).
 

Infografia com as estatísticas do serviço móvel, em 2016

Consulte:
Relatório "Serviços móveis" - 2016